Lula é diplomado pelo TSE, chora e exalta a democracia

Brasília (EFE).- O presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva foi diplomado na tarde desta segunda-feira em uma cerimônia no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), após sua vitória nas eleições de outubro contra o atual presidente, Jair Bolsonaro.

Lula, de 77 anos, completou assim o último trâmite antes de sua posse, que acontecerá em 1º de janeiro, quando assumirá pela terceira vez a presidência da República, após ter governado por dois mandatos entre 2003 e 2010.

Na cerimônia, o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin também recebeu seu diploma de vice-presidente eleito.

A diplomação de Lula e Alckmin aconteceu diante de cerca de 300 convidados e sob forte esquema de segurança, montado como medida preventiva contra protestos de apoiadores de Bolsonaro, que estão há mais de um mês mobilizados em atos golpistas em frente a quartéis do Exército.

Após receber o diploma das mãos do presidente do TSE, Alexandre de Moraes, Lula destacou que o documento pertence ao povo brasileiro e exaltou a importância da democracia que, segundo ele, “poucas vezes esteve tão ameaçada”.

“Esse diploma não é do Lula presidente, mas de parcela significativa do povo que conquistou o direito de viver em democracia. Vocês ganharam esse diploma”, declarou Lula, que chegou a chorar ao lembrar de sua primeira diplomação como presidente, quando foi criticado por não ter um diploma universitário.

“Os inimigos da democracia lançaram dúvidas sobre as urnas eletrônicas, cuja confiabilidade é reconhecida em todo o mundo”, lembrou o presidente diplomado, acrescentando que “a vontade popular precisou vencer obstáculos para ser ouvida”.

Ao encerrar seu discurso, Lula reforçou seu compromisso de garantir a normalidade institucional e de lutar contra as injustiças.

“É com o compromisso de construir um verdadeiro Estado democrático, garantir a normalidade institucional e lutar contra injustiças que recebo pela terceira vez o diploma de presidente eleito do Brasil. Em nome da liberdade, da dignidade e da felicidade do povo”, concluiu.

Na solenidade desta segunda-feira, o TSE certificou oficialmente o resultado das eleições, procedimento que é realizado no Brasil desde 1951, embora tenha sido suspenso durante os anos da ditadura militar (1964-1985).

Segundo o TSE, Lula venceu as eleições com 50,9% dos votos, contra 49,1% obtidos por Bolsonaro, que continua sem parabenizar o adversário, nem reconhecer publicamente sua derrota. EFE