Lula vence Bolsonaro em 2º turno e voltará a ser presidente do Brasil

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva venceu neste domingo o segundo turno mais equilibrado da história das eleições presidenciais no Brasil e voltará a governar o país a partir de 1º de janeiro de 2023.
Lula (PT) garantiu a vitória quando 98,81% das seções eleitorais haviam sido totalizadas. Ele tinha 50,83% dos votos válidos, contra 49,17% do atual presidente, Jair Bolsonaro (PL), que tentava a reeleição.
A votação foi mais apertada do que o previsto pela grande maioria das pesquisas, um reflexo do alto nível de polarização no Brasil, o que levou inclusive a episódios de violência política durante a campanha.
A disputa superou, como mais acirrada da história das eleições presidenciais, o segundo turno vencido em 2014 por Dilma Rousseff (PT) contra Aécio Neves (PSDB) por 51,64% a 48,63%.
No primeiro turno, os institutos de pesquisa também não tinham conseguido antecipar o resultado das urnas.

Brasileiros comemoram a vitória do Lula na Avenida Paulista.EFE

Contagem acirrada


Bolsonaro começou a contagem à frente, mas, com 67,76% das seções totalizadas, Lula assumiu a liderança e se manteve na frente até o final, mas sempre com uma margem muito pequena.
O ex e agora futuro presidente – governou o país entre 2003 e 2010 em dois mandatos – também venceu o primeiro turno, realizado em 2 de outubro, quando obteve 48,4% dos votos, contra 43,2% de Bolsonaro.

Reconstruir o Brasil


Durante a campanha, Lula, de 77 anos, prometeu “reconstruir” o Brasil após quatro anos de governo Bolsonaro, acabar com a fome e “colocar os pobres no orçamento” público, combinando responsabilidade social, fiscal e ambiental.
Ele também antecipou que ficará no poder por um único mandato, sem tentar a reeleição.
Uma nova vitória de Lula era considerada improvável há alguns anos por causa dos múltiplos julgamentos por corrupção que ele teve que enfrentar, mas em 2021 o Supremo Tribunal Federal (STF) anulou as condenações que o fizeram passar 580 dias na prisão, e com isso ele recuperou seus direitos políticos.

Lula depois de votar em São Bernardo do Campo, São Paulo.EFE/Sebastião Moreira