Biden diz que preços continuam altos, apesar de inflação diminuir

Washington (EFE).- O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, reconheceu nesta quinta-feira que os preços continuam altos no país, apesar de uma diminuição do ritmo da inflação em setembro para 8,2% no acumulado em 12 meses.

Em comunicado divulgado após o anúncio do novo dado sobre a inflação, Biden disse que “o relatório de hoje mostra algum progresso no combate ao aumento dos preços, mesmo que tenhamos mais trabalho a fazer”.

“Os americanos estão sobrecarregados com o custo de vida. Isso é verdade há anos, e não precisam do relatório de hoje para lhes dizer isso”, afirmou Biden, que considera “crucial” dar às famílias de classe média “espaço para respirar”.

Ele disse que a luta contra a inflação é uma questão global que afeta os países, e que em seu caso sua principal prioridade são as famílias trabalhadoras nos EUA.

Ele defendeu a agenda econômica do governo, que, conforme alegou, colocou o país em uma posição mais forte do que qualquer outra economia para enfrentar estes desafios.

Biden mencionou na nota a Lei de Redução da Inflação, aprovada pelo Congresso e que, segundo ele, ajudará a baixar o preço da energia nos próximos meses.

De acordo com dados divulgados hoje pelo Escritório de Estatísticas Trabalhistas dos EUA (BLS), a inflação acumulada em 12 meses perdeu força novamente em setembro, pelo terceiro mês consecutivo, ficando em 8,2%, um décimo de ponto percentual a menos do que a medição feita em agosto.

Já em relação à variação em um mês, os preços ao consumidor aumentaram 0,4 ponto percentual em setembro. EFE