Iberdrola construirá no Brasil sua 1ª usina fotovoltaica flutuante no mundo

Madri (EFE).- A multinacional espanhola Iberdrola planeja instalar no Brasil, através da subsidiária Neoenergia, a primeira usina fotovoltaica flutuante da empresa no mundo, que receberá um investimento de 2 milhões de euros na sua construção, anunciou a companhia nesta quinta-feira.

O projeto será construído sobre a água do açude do Xaréu, na ilha de Fernando de Noronha, reconhecida pela Unesco como Patrimônio Mundial Natural e onde a Iberdrola desenvolve soluções energéticas sustentáveis.

Com uma capacidade de 630 kilowatts (kW), a usina flutuante irá gerar cerca de 1.240 megawatts/hora (MWh) de energia verde por ano, o suficiente para cobrir mais de 50% do consumo energético da Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa) na ilha.

A instalação terá cerca de 940 painéis e a construção está programada para começar antes do final do ano.

O projeto está sendo realizado pela Iberdrola em conjunto com a Compesa, que opera a rede de distribuição de água e esgotos na ilha de Fernando de Noronha, e é apoiado pelo Programa de Eficiência Energética regulado pela Aneel.

Com o desenvolvimento da sua primeira usina solar flutuante, o grupo Iberdrola, dedicado à produção, distribuição e comercialização de energia, pretende testar esta nova tecnologia e analisar a sua possível expansão.

A fábrica se junta a outros projetos sustentáveis desenvolvidos pela empresa para fornecer soluções renováveis e promover a preservação do ecossistema da ilha, a única habitada do arquipélago vulcânico no Oceano Atlântico e com uma superfície de aproximadamente 167 quilômetros quadrados.

Entre estas iniciativas está a recentemente inaugurada usina solar Vacaria, a primeira de duas instalações concebidas para produzir apenas veículos elétricos. No caso de excedente, a eletricidade que sobrar irá para a rede de distribuição.

A construção destas instalações faz parte do projeto “Senda Verde”, desenvolvido pelo grupo Iberdrola como parte do Programa de P&D da Aneel, no qual tem parceiros como a Renault, entre outros.

A Iberdrola também promoveu o desenvolvimento de pequenas fontes renováveis para substituir a utilização de geradores a diesel, que são responsáveis por 80% da energia consumida na ilha, e tem também as usinas solares Noronha I e II que, com uma geração de 100 MWh por mês, cobrem quase 10% das necessidades energéticas da ilha.

Desde o ano passado, Fernando de Noronha dispõe de uma frota renovada de contadores, equipamento que permite o acesso remoto, um melhor serviço em caso de incidentes e a possibilidade de conexão de equipamentos verdes de autoconsumo. EFE