Scholz, Sánchez e Costa defendem diversificar fontes de energia

Berlim (EFE).- O chanceler da Alemanha, Olaf Scholz, recebeu nesta sexta-feira em Berlim o presidente do governo da Espanha, Pedro Sánchez, e o primeiro-ministro de Portugal, António Costa, em um encontro no qual ressaltaram a importância da diversificação do abastecimento energético para garantir sua segurança.

Os três líderes europeus abordaram a necessidade de acelerar a construção de interconectores energéticos, segundo destacou um comunicado conjunto divulgado no final da reunião trilateral na capital alemã.

Embora o documento não mencione explicitamente o gasoduto MidCat, que os três consideram um projeto-chave para a segurança energética europeia, faz referências a “corredores de gás aptos para transportar hidrogênio verde”.

O projeto MidCat, que ligaria a Península Ibérica ao norte da Europa para transportar gás procedente do Magrebe, enfrenta a relutância do presidente da França, Emmanuel Macron, que argumenta que não é rentável e que é necessário apostar na energia verde.

No entanto, tanto Scholz quanto Sánchez afirmaram repetidamente que o gasoduto, além de ser de importância estratégica, permitiria o transporte de hidrogênio verde no futuro.

Os três líderes, que devem discutir o assunto no próximo Conselho Europeu em Bruxelas, nos dias 20 e 21 de outubro, concordaram em realizar um “acompanhamento conjunto” desta questão, destacou o comunicado.

Europa deve combater altos preços no setor de energia

Scholz, Sánchez e Costa também concordaram com a necessidade de dar respostas europeias “comuns e urgentes” aos desafios ligados aos altos preços da energia.

Os três salientaram que a independência dos combustíveis fósseis não só permitirá combater as alterações climáticas e acelerar a transição energética para uma economia livre de emissões, mas também contribuir para garantir a segurança da União Europeia.

Nesse sentido, apontaram para a importância do Pacto Verde Europeu, o roteiro para alcançar a neutralidade climática em 2050.

Os três líderes também falaram sobre a “guerra de agressão” da Rússia contra a Ucrânia, uma questão que também será o foco da próxima reunião do Conselho Europeu, e reafirmaram seu “apoio inabalável” a Kiev “pelo tempo que for necessário”.

Sánchez e Costa deslocaram-se a Berlim por ocasião do Congresso do Partido Socialista Europeu, que reúne 33 partidos europeus da família socialista e social-democrata e que elegeu nesta sexta-feira seu novo presidente, o ex-primeiro-ministro sueco Stefan Löfven. EFE