Truss retifica plano fiscal e aumentará imposto sobre empresas

Londres (EFE).- A primeira-ministra do Reino Unido, Liz Truss, reconheceu nesta sexta-feira que o seu plano fiscal foi “mais longe e mais rápido” do que os mercados podiam tolerar, razão pela qual agora o retifica “de forma decisiva” e aumentará o imposto sobre as empresas, como havia sido planejado pelo governo de seu antecessor, Boris Johnson.

“Temos de agir agora para assegurar aos mercados que temos responsabilidade fiscal”, argumentou, antes de acrescentar que fará “o que for preciso” para garantir que a dívida caia no médio prazo.

Em breve entrevista coletiva, a primeira-ministra, que horas antes tinha demitido o ministro da Economia Kwasi Kwarteng, admitiu que a forma como o seu governo procura cumprir a sua missão “tem de mudar”, razão pela qual decidiu manter o aumento dos impostos sobre as empresas de 19% para 25%, apesar de ter se comprometido a cancelar o aumento.

“É evidente que partes do ‘miniorçamento’ (apresentado por Kwarteng em 23 de setembro) foram mais longe e mais rápido do que os mercados esperavam”, disse Truss ao dar um giro de 180 graus sobre o que tinha prometido desde que tomou posse, em 6 de setembro.

Truss espera aumentar arrecadação em 18 bilhões de libras

Ao aumentar o imposto sobre as sociedades, Truss espera angariar mais 18 bilhões de libras esterlinas.

Entre outras medidas para assegurar que a dívida caia no médio prazo, Truss disse que o seu governo irá “controlar a dimensão do Estado” e assegurar que “o setor público seja mais eficiente”, ao mesmo tempo que reconheceu que “as despesas crescerão mais lentamente do que anteriormente previsto”.

Além disso, lamentou “incrivelmente” ter prescindido do “grande amigo” Kwarteng, mas disse que Hunt compartilha de suas ideias sobre crescimento e baixos impostos.

“Quero ser honesta: isto é difícil. Mas vamos resistir à tempestade e dar o crescimento forte e sustentado que pode transformar a prosperidade do nosso país para as próximas gerações”, acrescentou, antes de confirmar que não tem qualquer intenção de renunciar e está determinada para levar adiante os seus planos.

Truss afirmou que deve “agir pelo interesse nacional”, razão pela qual a “estabilidade econômica” deve ser garantida após dias de volatilidade da dívida soberana do Reino Unido e a queda do preço da libra esterlina. EFE