Blatter diz escolha do Qatar para Copa foi “um erro” e culpa Platini

Genebra (EFE).- O ex-presidente da Fifa Joseph Blatter reafirmou, em entrevista publicada nesta terça-feira, que a escolha do Qatar como sede da Copa do Mundo deste ano foi “um erro”, cuja responsabilidade é do ex-presidente da Uefa, Michel Platini.

“Graças aos quatro votos de Platini e sua equipe, a Copa do Mundo foi para o Qatar, ao invés dos Estados Unidos. Essa é a verdade”, disse o suíço ao jornal “Tribune de Genève”.

À publicação, o ex-dirigente garantiu que o emirado localizado no Golfo Pérsico “é um país pequeno demais, para o que é um Mundial, que é grande demais”.

No ano passado, Blatter, em outra entrevista, afirmou que o presidente da França, Nicolas Sarkozy, pressionou Platini para que os votos da Uefa fossem para o Qatar, após uma reunião do chefe de Estado com o príncipe herdeiro qatariano.

“Seis meses depois, o Qatar comprou aviões de combate da França, por US$ 14,6 milhões. Com certeza, era uma questão de dinheiro”, disse o ex-presidente da Fifa.

O suíço, suspenso do futebol por acusações de corrupção, em 2015, afirmou que, antes da escolha dupla das sedes da Copa de 2018 e 2022, era consenso que a primeira seria da Rússia, e a segunda dos Estados Unidos.

“Teria sido um gesto de paz, que os dois adversários políticos desde muito tempo, organizaram um Mundial de forma consecutiva”, disse Blatter, na entrevista publicada hoje.

O suíço afirmou não ter se arrependido da escolha da Rússia para a Copa de 2018.

“Foram bons organizadores”, avaliou.

Blatter reconheceu a relação ruim com o atual presidente da Fifa, Gianni Infantino, afirmando não entender “que ele vive atualmente no Qatar”.

“Ele não pode ser, ao mesmo tempo, diretor local da organização”, disse o ex-dirigente, que afirmou que o compatriota “o evita”.

Além disso, Blatter minimizou as críticas feitas ao Qatar por organizações e países, inclusive, com boicotes.

“Com o primeiro apito inicial de um árbitro, já não falaremos mais de todos esses problemas, apenas de esporte”, disse.

Questionado sobre a recente absolvição – junto com a de Platini -, no processo de corrupção que custou o cargo de presidente da Fifa, Blatter se disse “aliviado”, pois “sempre soube que era inocente”.

Apesar da decisão, anunciada pelo Tribunal Penal Federal da Suíça, em julho, o caso contra os dirigentes segue, já que o Ministério Público apelou da sentença. EFE