Brasil e Argentina levam rivalidade histórica para a arena

Barcelona (EFE).- A rivalidade esportiva entre Brasil e Argentina é histórica, sobretudo no futebol, mas também é levada para qualquer outra competições, como, por exemplo, a final mundial da Copa das Nações Longines FEI Jumping, que acontece neste fim de semana em Barcelona, na Espanha.

O Real Club de Polo da capital da Catalunha sediará um dos torneios mais populares do hipismo internacional, onde seleções de todo o mundo disputam o título, em que o Brasil tentará superar, entre outras concorrentes, a Argentina, que é treinada por um brasileiro.

O mineiro Vitor Alves Teixeira, de 64 anos, participou dos Jogos Olímpicos de 1984, 1988 e 1992, de seis edições dos Jogos Pan-Americanos, também dos Jogos Equestres Mundiais, mas na arena de Barcelona, defenderá a bandeira argentina.

“A rivalidade entre Brasil e Argentina é muito forte no futebol, em Buenos Aires, a gente se respeita muito e acho que os brasileiros são bem recebidos quando vão à Argentina, e vice-versa. Mas, a vontade de ganhar está sempre presente”, afirmou Teixeira, em entrevista à Agência Efe. 

O técnico, que segue ativo cavaleiro, explicou que os primeiros contatos com a seleção argentina aconteceram há 20 anos, na edição dos Jogos Equestres Mundiais realizada em Jerez de la Frontera, na Espanha.

Pouco depois, se tornou o chefe da equipe principal e, segundo ele, “havia um pouco de receio” no Brasil pela situação, inclusive, depois de ter recebido no passado um contive para treinar a equipe do país de origem.

No entanto, Teixeira garante que, no momento, o objetivo é completar “o compromisso e o contrato” com a Argentina.

“Não sei o que acontecerá no futuro, logicamente, é um sonho poder dirigir a equipe do Brasil, que tem bons conjuntos, mas agora devo defender as cores da Argentina. Espero que, no futuro, me caiba assumir essa grande responsabilidade no meu país”, afirmou o técnico.

Enquanto isso, Teixeira se mostra feliz por classificar a Argentina pela primeira vez à final da Copa das Nações, organizada pela Federação Equestre Internacional (FEI), com a chance de ganhar neste sábado a Challenge Cup, se conseguir superar o favorito, que é, justamente, o Brasil. EFE