Daniel Alves é transferido de penitenciária em Barcelona

Barcelona (EFE).- O lateral-direito Daniel Alves foi transferido para a penitenciária de Brians 2, em Barcelona, na Espanha, conforme apurou nesta segunda-feira a Agência EFE.

O brasileiro foi encaminhado para um módulo da unidade com espaços com menor número de pessoas, que é considerado mais seguro, conforme a informação repassada por fontes do sistema prisional. Ainda hora, Alves será designado para uma cela no local.

O lateral estava na penitenciária Brians 1, também em Barcelona, desde a última sexta-feira, quando uma juíza decretou sua prisão preventiva, sem direito ao pagamento de fiança, depois do jogador do Pumas, do México, ter sido acusado de estuprar uma mulher no banheiro de uma boate, na noite de 30 de dezembro do ano passado.

A Secretaria de Medidas Penais do Departamento de Justiça do governo da Catalunha decidiu pela transferência de Alves para Brians 2, onde estão presos já condenados pela justiça e outros em prisão preventiva.

A unidade conta com módulos menores, que permitem garantir melhor a segurança dos detentos, assim como a convivência entre eles.

Nas alas de Brians 2, em média, estão 80 presos, enquanto as de Brians 1, costumam ter 200 detentos, aproximadamente.

Uma vez transferido, Alves irá para o módulo de ingressos, onde será visitado por profissionais da penitenciária, que decidirão em qual cela o jogador ficará, questão para qual não é levada em conta o tipo de crime cometido.

O lateral foi submetido, ao longo do fim de semana, aos trâmites habituais para a entrada na penitenciária, tendo os cabelos cortados e os pertences guardados, após a comprovação de sua identidade.

Em seguida, Alves foi visitado por profissionais de saúde e interrogado por integrantes da equipe de tratamento, que deverá decidir com que grupo de detentos ele ficará.

Enquanto isso, a defesa do jogador trabalha na estratégia processual para tentar conseguir a liberdade provisória do cliente e estuda apresentar um recurso contra a ida para a prisão, se necessário, o oferecendo para um novo depoimento à juíza do caso.

No entanto, é esperada a decisão de Alves sobre uma possível mudança de advogado, como sugere o entorno do brasileiro, depois que Miranda Puente, que o defendia, não conseguiu impedir a decretação da prisão sem fiança. EFE