Haaland é a ausência mais sentida desta Copa do Mundo

Santiago Aparicio.

Redação Central (EFE).- A Copa do Mundo reúne os principais astros do futebol mundial, mas também costuma ser marcada por ausências de destaque, como é o caso da edição de 2022, que acontecerá no Qatar e não contará, por exemplo, com o atacante norueguês Erling Haaland, sensação do Manchester City.

O artilheiro dos gols em profusão ficou de fora e assistirá tudo pela televisão, já que a seleção da Noruega amargou um terceiro lugar no grupo G das Eliminatórias europeias, ficando atrás de Holanda e Turquia, sequer conseguindo disputar a repescagem da competição qualificatória.

Apesar da menor repercussão, a seleção norueguesa também não contribuirá com o talento do meia Martin Odegaard, que se firmou no Arsenal, depois de surgir como promessa de craque do mais alto quilate e não corresponder ao desembarcar muito jovem no Real Madrid.

Já consolidado como craque mundial e um dos melhores jogadores do planeta, Mohamed Salah é outro que não estará no Qatar, já que o Egito acabou eliminado na fase final das Eliminatórias africanas, ao perder para Senegal na disputa de pênaltis, com direito a falha decisiva do atacante do Liverpool.

Outro atacante dos ‘Reds’, Luis Díaz, é mais um que não poderá mostrar o faro de gol na Copa do Mundo, devido à má campanha da Colômbia nas Eliminatórias sul-americanas, em que não conseguiu uma das quatro vagas diretas, nem mesmo um lugar na repescagem.

O artilheiro da Copa América de 2021, de apenas 25 anos, não brilhou nas Eliminatórias, em que marcou apenas três gols, e os colombianos acabaram apenas na sexta posição.

Seleções de peso fora

A Itália, por si só, provocou várias ausências por não ter se classificado para a edição do Qatar. Ficaram de fora nomes como o goleiro Gianluigi Donnaruma e o meia Marco Verratti, ambos do Paris Saint-Germain, que entram em muitas listas de melhores jogadores de futebol na atualidade.

Além deles, também perderão o torneio o meia brasileiro naturalizado Jorginho, do Chelsea, o meia Nicolo Barella, da Inter de Milão, e o atacante Federico Chiesa, da Juventus, entre outros.

Ausente da Copa do Mundo desde 1998, a Escócia tinha esperanças de voltar ao Mundial no Qatar, mas também caiu na repescagem, o que tirou as chances do lateral Andy Robertson, do Liverpool, e do volante Scott McTominay, do Manchester United, de estrearem no torneio.

O atacante Victor Osimhen, do Napoli, considerado uma das sensações do futebol europeu, também não disputará a Copa, devido à eliminação da Nigéria na última fase das Eliminatórias africanas. Um compatriota do vencedor da Chuteira de Ouro do Mundial sub-17 de 2015 que não irá ao Qatar é o meia Wilfred Ndidi, do Leicester.

Outro jogador que se destaca no continente africano, o meia marfinense Frank Kessié, agora no Barcelona, também não mostrará o talento na Copa, assim como o atacante argelino Rihad Mahrez, do Manchester City.

O atacante gabonês Pierre Emerick Aubameyang, do Chelsea, é mais um que não conseguiu superar a barreira das Eliminatórias e terá que acompanhar a competição pela televisão.

O Chile, uma das decepções das Eliminatórias sul-americanas, acabou fora do Mundial, o que impediu uma última participação de ícones do futebol do país como o goleiro Claudio Bravo, o meia Arturo Vidal – atualmente no Flamengo – e o atacante Alexis Sánchez.

Outro veterano que não conseguiu ir à Copa foi o interminável atacante Zlatan Ibrahimovic, já que a Suécia não conseguiu vaga.

Um dos melhores goleiros do mundo na atualidade, Jan Oblak é o principal nome da seleção da Eslovênia, mas sua segurança não foi suficiente para ajudar a garantir um lugar no Mundial.

Baixas por lesão

Em relação a baixas por lesão, a atual campeã mundial, França, teve quatro perdas significativas: o volante N’Golo Kanté, o meia Paul Pogba, o zagueiro Presnel Kimpembe e o atacante Christopher Nkunku.

O Senegal não poderá contar com seu grande astro, Sadio Mané, que chegou a ser convocado mesmo ciente de que sofria grande risco de corte por causa de uma lesão na perna direita, o que acabou se confirmando.

Já a Argentina teve que cortar o meia Giovanni Lo Celso e os atacantes Nico González e Joaquín Correa. EFE