Laboratório com toque espanhol ajuda no desenvolvimento do esporte no Qatar

Jose Miguel Pascual Labrador

Doha (EFE).- Uma vez terminada a Copa do Mundo de futebol e com o Mundial de Natação em 2024 no horizonte, o Qatar tem como próximo objetivo sediar os Jogos Olímpicos de 2036, o que significaria sua quinta tentativa, para a qual consideram importante promover o desenvolvimento dos atletas nacionais por meio de um centro de alto desempenho para jovens, baseado em ciência e tecnologia e dirigido por técnicos espanhóis e latino-americanos.

Localizado em Doha, em um espaço de mais de 200 hectares ao lado de uma das sedes da Copa do Mundo do Qatar 2022, o Estádio Khalifa tem toda a instalação necessária para o treinamento esportivo específico (fisiologia, biomecânica, fisioterapia, nutrição) e uma residência para estudantes; além de um estádio de futebol coberto com capacidade para 3.650 pessoas, uma piscina com medidas olímpicas e uma pista de atletismo homologada pela Associação Internacional de Federações de Atletismo (IAAF, na sigla em inglês).

O diretor-geral do centro, Iván Bravo, e o diretor técnico do programa de futebol, o espanhol Edorta Murua, são a representação máxima de um organograma cujo propósito é que este pequeno país do Oriente Médio seja “capaz de competir” no mais alto nível em diferentes disciplinas esportivas.

“Não é uma academia típica, digamos didática em sentido amplo, é um centro de alto rendimento onde chegam os jogadores com maior potencial e que devemos treinar para que sejam capazes de representar o país nas melhores condições”, explicou Murua em entrevista à Agência EFE.

Espelho dos clubes europeus

Entre os promotores do projeto está o italiano Valter Di Salvo, preparador físico com passagens por clubes como Real Madrid, Manchester United e Lazio e que, desde 2010, dirige o departamento de preparação física na Aspire Academy.

“No Real Madrid Tech – onde projetou várias instalações para o atual centro de treinamentos do clube -, tínhamos áreas dedicadas ao laboratório, mas aqui queríamos dar um passo em direção ao futuro. Não queríamos mandar os jogadores para o laboratório, mas sim trazer para o campo quem conhece a ciência, para analisar o jogador em ação, nos seus movimentos”, contou ele à Agência EFE.

Desta forma, por exemplo, foi criado um espaço de treino dedicado exclusivamente à biomecânica, com medidores de força, câmeras de alta resolução espalhadas pelo campo que permitem recriar o movimento em 3D, e telas de 6 metros onde os jogadores se veem. para corrigir seus movimentos em cada exercício e corrigir erros.

No entanto, os formadores tiveram de compreender a cultura do país antes de aplicar toda a tecnologia no processo de formação, “percebendo os seus pontos fortes e fracos” e não reproduzindo diretamente os sistemas de trabalho utilizados em países como Inglaterra, Espanha e Itália.

Di Salvo exemplificou essa situação ao comparar anedotas em seus primeiros treinos com o Manchester United e com a seleção do Qatar.

Enquanto no primeiro dia como preparador físico com Alex Ferguson e na seleção inglesa teve que interromper os exercícios porque os jogadores “se chutavam, corriam, brigavam, pulavam” no primeiro dia após as férias, em 2010, no primeiro treino com a seleção do Qatar, faltaram três jogadores.

O italiano destacou que “os rapazes do Qatar” não gostam de uma forma de trabalhar com muitas indicações sobre o que devem fazer a cada momento, por preferirem aplicar um método em que envolvam o jogador no processo de treino: “Perguntamos o que eles precisam, quais são seus pontos fortes ou o que lhes falta e como podemos trabalhar nisso”.

Problema de fichas

Para o ano letivo 2022-2023, 279 novos estudantes se inscreveram na academia, que tem um total de 536, que vivem em um “contexto esportivo” 24 horas por dia, uma vez que têm aulas e treinos de manhã e à tarde, e alguns deles também ficam para dormir na concentração.

O Qatar, com cerca de 3 milhões de habitantes, dos quais apenas 300 mil são qatarianos de nascimento, tem cerca de 6 mil fichas de federações de futebol masculino, o que significa “um problema na hora de escolher” em comparação com outros países como Espanha, onde existem cerca de 1 milhão de fichas; o Brasil, onde se estima que 16% da população – cerca de 30 milhões – jogue futebol; ou a Argentina com quase 3 mil jogadores profissionais de futebol que jogam fora de suas fronteiras e 900 mil federados em seu país.

Assim, o diretor técnico Murua aplicou uma filosofia semelhante à que tinha no Athletic Bilbao quando chegou à Aspire, aceitando que trabalhem com certas características identitárias que os levam a trabalhar “nas necessidades”, e não nos “desejos do organização, dos treinadores ou os jogadores de futebol”.

Primeiros êxitos da Aspire Academy

Na última Copa do Mundo, apesar de o resultado não ter sido o esperado, com zero vitórias, 18 dos 26 integrantes da seleção qatariana foram formados na base local, e o técnico do Qatar durante o torneio, o espanhol Félix Sánchez Bas, também fez parte do instituto entre 2006 e 2013.

Em 2019, essa geração de jogadores teve seu maior feito com a vitória na Copa da Ásia, após vencer o Japão na final por 3 a 1; algo que significou “um impulso de olhar para a frente para os jogadores nacionais que mostraram que podiam ser referências” para os mais jovens.

Em relação a outras modalidades, um nome se destaca acima de todos: Mutaz Essa Barshim, o atleta de maior sucesso do Qatar, com três medalhas olímpicas no salto em altura (bronze em Londres-2012, prata no Rio-2016 e ouro em Tóquio-2020), dois títulos mundiais em estádio aberto (2017 e 2019) e outro em pista indoor (2014).

“A Aspire é uma reivindicação não somente no país, mas no resto do mundo pelas suas instalações, métodos de trabalho, etc. Gera-se um clima de partilha de ideias. Mas não podemos parar por aí, nossa parte é tentar alimentar esse maravilhoso continente com conteúdo”, acrescentou Murua sobre o potencial do projeto. EFE