Messi dá show, Argentina faz 3 a 0 na Croácia e vai à final da Copa

Lusail (EFE).- Em mais uma partida decidida com o brilho de Lionel Messi, autor de um gol, uma assistência e novos recordes, a Argentina derrotou com autoridade nesta terça-feira por 3 a 0 a Croácia, algoz do Brasil nas quartas de final, e se classificou à decisão da Copa do Mundo no Qatar.

De volta ao estádio Lusail, palco da vexaminosa “zebra” na estreia, com derrota de virada para a Arábia Saudita por 2 a 1, e onde posteriormente superou México e Holanda, a ‘Albiceleste’ não deu chances aos croatas, controlou a partida e avançou para a sexta final de sua história. E também será lá o local da final, no próximo domingo, ao meio-dia (de Brasília).

A seleção treinada por Lionel Scaloni, que além do gol de Messi e contou com dois de Julián Álvarez, aguarda o vencedor do duelo entre França e Marrocos, que se enfrentam amanhã.

Enquanto busca o título tão sonhado em sua última Copa do Mundo, Lionel Messi, aos 35 anos, continua fazendo história. Em cobrança de pênalti aos 35 minutos do primeiro tempo, o craque abriu o placar contra a Croácia e se igualou ao francês Kylian Mbappé na artilharia do torneio, com cinco gols. De quebra, se isolou como maior artilheiro da história da seleção argentina em Copas, com 11 gols,  um a mais que Gabriel Batistuta.

Messi também se igualou ao alemão Lothar Matthäus como jogador com mais partidas disputadas na história da Copa do Mundo, 25 jogos. O argentino estreou no torneio quando tinha 18 anos e, desde então, disputou três jogos em 2006, cinco em 2010, sete em 2014 (quando foi vice-campeão), quatro em 2018 e seis em 2022. Cafu, que disputou as Copas de 1994, 1998, 2002 e 2006, é o melhor brasileiro do ranking, na oitava posição, com 20 partidas.

O técnico croata, Zlatko Dalic, mandou a campo o mesmo time titular que eliminou o Brasil nas quartas de final, mas que não foi páreo para a Argentina. Depois de um início de jogo com muita marcação, o primeiro chute a gol só saiu quando o cronômetro marcava 24 minutos, dos pés de Enzo Fernández, que pouco depois deu excelente passe para Julián Álvarez ficar cara a cara com o goleiro Livakovic e ser derrubado. Na cobrança do pênalti, Messi abriu o caminho para a vitória. 

Na sequência, aos 39 da etapa inicial, a Croácia subiu em peso para o ataque e, ao contrário do que vivenciou contra o Brasil, sofreu contra-ataque fulminante puxado por Julián Álvarez, que arrancou sozinho desde o campo de defesa, venceu duas disputas de bola, invadiu a área e chutou à queima-roupa, sem chances para o goleiro rival.

No segundo tempo, a seleção europeia não encontrou espaços na zaga adversária e tentou levar perigo na bola aérea, também sem sucesso. O lance mais ilustre da partida veio novamente em jogada individual, desta vez com Messi, que passou como quis do lado direito do ataque por Gvardiol – um dos destaques da Copa até aqui – e tocou na área para Julián Álvarez completar para o fundo da rede e fazer a festa da grande torcida argentina presente em Lusail.

Ficha técnica

Argentina: Emiliano Martínez; Molina (Foyth), Cristian Romero, Otamendi e Tagliafico; Paredes (Lisandro Martínez), De Paul (Palacios), Enzo Fernández e Mac Allister (Ángel Correa); Messi e Julián Álvarez (Dybala). Técnico: Lionel Scaloni.

Croácia: Livakovic; Juranovic, Lovren, Gvardiol e Sosa (Orsic); Brozovic (Petkovic), Modric (Majer) e Kovacic; Pasalic (Vlasic), Perisic e Kramaric (Livaja). Técnico: Zlatko Dalic.

Árbitro: Daniele Orsato (ITA), auxiliado por Ciro Carbone (ITA) e Alessandro Giallatini (ITA).

Gols: Messi e Julián Álvarez (2) (ARG).

Cartões amarelos: Cristian Romero e Otamendi (ARG); Livakovic e Kovacic (CRO).

Estádio: Lusail, em Lusail (QAT). EFE