Mourinho revela proposta para comandar seleção portuguesa

Roma (EFE).- O técnico José Mourinho revelou ter recebido convite para comandar a seleção de Portugal e que seria a única opção da Federação Portuguesa de Futebol para substituir Fernando Santos, mas recusou a proposta por estar “bem” no seu clube, a Roma.

“Quero agradecer ao presidente da Federação Portuguesa. Ele me disse que não era a primeira opção, mas a única e isso me enche de orgulho. Mas recusei porque estou bem aqui na Roma”, disse o treinador, quinta-feira, logo após a vitória por 1 a 0 sobre o Genoa pela Copa da Itália.

Na partida, Mourinho contou com o atacante Paulo Dybala, campeão mundial com a Argentina no Qatar. O jogador começou no banco, mas fez o gol da vitória da Roma.

“Não queria tirá-lo no início do segundo tempo, talvez pudesse colocar um jogador jovem, mas queria fazer todo o possível para evitar ir para a prorrogação devido a todos os compromissos que temos”, explicou o treinador.

Mourinho não hesitou em defender o italiano Nicolo Zaniolo, que recebeu vaias do público no Estádio Olímpico.

“A Roma sempre dá o seu melhor e eu aprendi desde criança, embora em breve faça 60 anos, que quando você dá o seu melhor, você tem a consciência tranquila e não precisa pedir mais. Você pode jogar bem ou mal, mas quando um jogador dá tudo o que tem, tudo bem para mim”, disse.

“Por isso sinto pelas vaias contra Zaniolo. Peço uma coisa aos torcedores: por favor, não vaiem nossos jogadores, eles dão tudo e mais um pouco”, declarou.

Ele também respondeu às críticas feitas pelo francês Vincent Candela, ex-jogador da Roma, sobre o mesmo jogador no empate em 2 a 2 com o Milan, no último dia 8.

“Se você recebe um salário da Roma, não pode dizer essas coisas. Só lamento que meu clube não tenha a força e a personalidade necessárias para enfrentar essas coisas”, afirmou. EFE