Número de mortos em jogo de futebol na Indonésia sobre para 131

Jacarta (EFE).- Emil Dardak, vice-governador da província de Java Oriental, na Indonésia, afirmou nesta quarta-feira que o número de mortos nos incidentes ocorridos em jogo de futebol realizado no último sábado subiu para 131.

De acordo com a autoridade local, a quantidade de feridos registrados supera os 400.

Dardak indicou, em mensagem no Twitter, que seis corpos de vítimas foram levados pelas famílias no dia do incidente, por isso, não entraram nas estatísticas oficiais, o que fez saltar de 125 para 131 o balanço de mortos.

Tumulto termina em tragédia na Indonésia

A tragédia aconteceu na noite de sábado, quando torcedores do Arema FC invadiram o gramado do estádio Kanjuruhan, após a derrota para o Persebaya Surabaya por 3 a 2, em jogo válido pelo Campeonato Indonésio. 

Parte do público que invadiu o campo entrou em confronto com policiais, que responderam com o uso de bombas de gás lacrimogêneo, o que provocou corre-corre nas arquibancadas, com a multidão indo em direção aos portões.

Muitas das saídas ficaram bloqueadas, impedindo a saída dos torcedores. Muitos acabaram morrendo por asfixia ou pisoteados, além de apresentarem outras lesões, segundo fontes de hospitais e o relato de testemunhas.

As autoridades locais suspenderam dez policiais e investigam cerca de 20, em um procedimento interno para avaliar a atuação das forças de segurança na partida.

A Comissão da Polícia Nacional da Indonésia informou que, de acordo com apuração inicial, não houve ordem do chefe da polícia de Malang – cidade aconteceu o jogo – para dispersar a multidão com medidas excessivas.

O uso de gás lacrimogêneo dentro de estádios é proibido mundialmente pela Fifa.

Auditoria nos estádios da Indonésia

Hoje, o presidente da Indonésia, Joko Widodo, anunciou que ordenou uma “exaustiva auditoria” em todos os estádios do país, com o objetivo de melhorar a segurança nas instalações, após a tragédia de sábado.

“A partir desse incidente, temos que corrigir tudo, a gestão de jogos, dos campos, dos estádios. Não queremos que o incidente de Kanjuruhan volte a ocorrer no nosso país”, disse o chefe de governo, em visita ao hospital Saiful Anwar, em Malang.

Widodo também pretende visitar o estádio onde aconteceu a partida de sábado.

“Tenho muito desejo de saber as causas que resultaram nessa tragédia, para que, no futuro, possamos encontrar uma melhor solução para preveni-las”, disse o presidente. EFE