Qatar reconhece de 400 a 500 mortes de operários imigrantes em obras da Copa

Doha (EFE).- O secretário-geral do Comitê Supremo para Entrega e Legado da Copa do Mundo de 2022, Hassan Al Thawadi, reconheceu nesta terça-feira a morte de “entre 400 e 500” operários imigrantes durante as obras realizadas para o torneio.

Em entrevista à emissora britânica de televisão “TalkTV”, o dirigente admitiu os óbitos, depois que o jornal “The Guardian”, também do Reino Unido, publicou uma apuração que indica para que os mortos chegam a 6,5 mil.

Até hoje, o Qatar só tinha reconhecido o falecimento de 40 imigrantes durante as obras de construção dos estádios.

“Cada ano, a segurança nestes locais está melhorando. Acho que, no geral, a necessidade de uma reforma trabalhista indica que é preciso fazer melhoras”, afirmou Al Thawadi.

“Isso é algo que reconhecemos antes de apresentar a candidatura. As melhoras que ocorreram não foram pela Copa do Mundo. Tivemos que fazê-las pelos nossos valores”, completou.

O secretário-geral do comitê local classificou o torneio de futebol como um “acelerador” de mudanças.

Sobre a quantidade de mortes, Al Thawadi lamentou as vítimas, mas foi impreciso nos dados, dizendo estarem “entre 400 e 500”.

“Não tenho o número exato, mas uma morte é uma morte, já é muito. Isso é claro e simples”, concluiu. EFE