Técnico da Croácia diz que Brasil tem melhor seleção na Copa

Doha (EFE).- Zlatko Dalic, técnico da seleção croata, adversária do Brasil nas quartas de final da Copa do Mundo, disse nesta terça-feira que os pentacampeões mundiais são os principais favoritos ao título da competição e afirmou que a estratégica da Suíça para enfrentar os comandados por Tite é um exemplo.

“É a seleção mais forte e a melhor do torneio. Quando você olha os jogadores, dá medo. Temos um grande teste pela frente, uma equipe que compete e tem tantos bons jogadores”, afirmou o comandante, em entrevista coletiva.

Dalic garantiu que será fundamental para os croatas iniciarem bem a partida e que, apesar do respeito, os comandados não se intimidarão com o elogiado adversário.

“Não temos nada a temer. Temos que entrar com muita fé e buscar uma chance. Queremos nos divertir, pois jogaremos com o Brasil em um Mundial. Claro, não nos renderemos”, disse.

“O Brasil é favorito, tem confiança, um grande ambiente e jogadores ‘top’, Neymar voltou. Mas, acredito que podemos enfrentá-los”, completou Dalic.

O técnico afirmou que não considera encarar o Brasil de frente uma aposta inteligente, porque daria muito espaço para os adversários.

“Estudaremos a situação. As chances não são de 50% para cada um, mas isso não é incomum para nós”, garantiu.

Para Dalic, a seleção que teve a melhor atuação ao enfrentar o Brasil foi a Suíça, na segunda rodada da fase de grupos. Os pentacampeões venceram por 1 a 0, graças a gol de Casemiro, nos minutos finais.

“Os suíços resistiram melhor. É verdade que Camarões os ganhou, mas o Brasil jogou com outra escalação. Para nós, o melhor é imitar a Suíça na preparação”, disse o técnico croata.

Dalic aproveitou para exaltar os comandados, pelas relações que estabeleceram durante a Copa e a forma com que estão atuando.

“É um ambiente familiar, de companheirismo. A Croácia é uma das seleções mais organizadas em tudo. Não há brigas, não há incidentes. Todos respeitam todos e trabalham”, garantiu.

O técnico destacou a transição entre o grupo vice-campeão em 2018 e vários jovens que integram a seleção croata neste ano.

“Temos uma grande geração que ainda precisa fazer alto. É bom que cresçam com jogadores rodados como Modric, Perisic, Kovacic y Brozovic. Não temo pelo futuro, mas precisarão de tempo para amadurecer. A geração da Rússia jogou junta durante dez anos, tiveram vitórias e derrotas”, explicou Dalic. EFE