Joe Biden. EFE/JONATHAN ERNST / POOL

Biden pede ao Congresso US$ 14,3 bilhões para Israel e US$ 61,4 bilhões para a Ucrânia

Washington (EFE).- O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, pediu nesta sexta-feira ao Congresso a aprovação de uma verba orçamentária urgente de mais de US$ 100 bilhões, que inclui ajuda de US$ 14,3 bilhões para Israel e um novo pacote para a Ucrânia no valor de US$ 61,4 bilhões.

Como era esperado, o presidente americano inclui no mesmo pedido a ajuda a Israel, à qual tanto democratas como republicanos são favoráveis, e o pacote para a Ucrânia, que não tem o mesmo apoio porque parte da bancada republicana, a ala mais radical, quer parar de aprovar verbas para o país europeu.

No pedido também estão contemplados US$ 9,15 bilhões em ajuda humanitária para “Ucrânia, Israel, Gaza e outros”, embora não esteja especificado quanto seria destinado para cada território.

Há também US$ 13,6 bilhões para diferentes verbas para aumentar a segurança na fronteira com o México, e outros US$ 2 bilhões para melhorar a segurança no Indo-Pacífico, entre outros.

O governo americano formalizou o pedido em uma carta da diretora do Gabinete de Gestão e Orçamento, Shalanda Young, ao presidente interino da Câmara dos Representantes, o republicano Patrick McHenry.

Na carta, Young adverte que “o mundo está observando e o povo americano espera que seus líderes unam forças e resolvam estas prioridades”.

“Peço ao Congresso para abordar (este pedido) como parte do acordo orçamentário total” que deve ser aprovado, segundo lembrou, nas próximas semanas.

O conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, Jake Sullivan, explicou em uma conversa por telefone com jornalistas que o governo faz este pedido depois de o mundo ter atingido um “ponto de virada”, na sequência dos “horríveis ataques terroristas” do Hamas contra Israel e enquanto o povo ucraniano continua lutando contra a agressão russa.

Sullivan destacou também o pedido de ajuda humanitária aos “civis afetados pela guerra em Gaza, que nada têm a ver com o Hamas e que também estão sofrendo muito”.

A tabela fornecida pela Casa Branca com as verbas a serem solicitadas não especifica quanto dos US$ 9,15 bilhões incluídos na ajuda humanitária iria para Gaza.

Nesse sentido, Young explicou na mesma conversa telefônica que a ajuda humanitária é “flexível” e é administrada em função das necessidades mais urgentes que devem ser respondidas. EFE