Biden: Anexação de regiões ucranianas pela Rússia é “fraudulenta”

Washington (EFE).- O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, classificou nesta sexta-feira como “fraudulento” o processo realizado pela Rússia para anexar quatro regiões ucranianas e a acusou de “violar o direito internacional”.

“Continuaremos a ajudar a Ucrânia em seus esforços para recuperar o controle sobre seus territórios”, disse Biden em um comunicado depois que o presidente russo, Vladimir Putin, assinou tratados de anexação das quatro regiões.

Biden lembrou que, em resposta a essa ação, os EUA e seus aliados anunciaram novas sanções contra indivíduos e entidades dentro e fora da Rússia que apoiaram política ou economicamente as tentativas “ilegais” de mudar o status do território ucraniano.

“Pediremos à comunidade internacional que denuncie estes movimentos e responsabilize a Rússia por eles, e continuaremos a fornecer à Ucrânia os equipamentos de que precisa para se defender”, disse.

O presidente dos EUA reiterou que seu governo aprovou nesta semana uma nova ajuda de US$ 1,1 bilhão para a Ucrânia e acrescentou que espera assinar uma nova lei que fornecerá ao país mais US$ 12 bilhões.

“Exorto todos os membros da comunidade internacional a rejeitarem tentativas ilegais de anexação e a apoiarem a Ucrânia pelo tempo necessário”, concluiu.

O comunicado de Biden foi divulgado pouco após Putin ter assinado tratados de anexação com os líderes das regiões ucranianas ocupadas de Donetsk, Lugansk, Kherson e Zaporizhzhia nesta sexta-feira.

A cerimônia de assinatura, realizada no Kremlin, contou com a presença dos líderes separatistas dos quatro territórios ucranianos, Denis Pushilin, Leonid Pasechnik, Vladimir Saldo e Yevgeny Balitsky, respectivamente. EFE