Biden e Xi falam sobre Taiwan e uso de armas nucleares na Ucrânia

Bali (EFE).- Os presidentes de Estados Unidos e China, Joe Biden e Xi Jinping, concordaram nesta segunda-feira em Bali, na Indonésia, em rejeitar o uso de armas nucleares na Ucrânia e debateram as tensões em Taiwan e na Coreia do Norte, além de temas como direitos humanos e comércio, informou a Casa Branca em comunicado.

Biden e Xi tiveram sua primeira reunião presencial como chefes de Estado, que durou cerca de três horas e ocorreu um dia antes do início da cúpula do G20.

De acordo com a Casa Branca, Biden disse a Xi que sua política em relação a Taiwan permanece inalterada e que ele continua a se opor a qualquer “mudança unilateral” no ‘status quo’ na ilha, que a China considera uma província rebelde.

Além disso, o presidente americano transmitiu ao líder chinês suas objeções às ações “coercitivas e cada vez mais agressivas” de Pequim em relação à ilha, que põem em perigo a “paz e a estabilidade” no Estreito de Taiwan e na região como um todo.

Biden e Xi discutem direitos humanos na China

Biden também expressou preocupação com a situação dos direitos humanos na China, e em particular com as ações de Pequim na região ocidental de Xinjiang, em Hong Kong e no Tibet.

Em relação à guerra na Ucrânia, os dois líderes se opuseram ao uso de armas nucleares na guerra na Ucrânia, uma posição muito importante em meio às ameaças nucleares da Rússia, que é uma parceira estratégica da China.

Eles também discutiram o comportamento “provocador” da Coreia do Norte, que intensificou seus lançamentos de mísseis nas últimas semanas, e enfatizaram que todos os membros da comunidade internacional têm “interesse” em encorajar Pyongyang a “agir responsavelmente”.

Os dois líderes concordaram que o secretário de Estado americano, Antony Blinken viaje para a China para continuar as conversas bilaterais, mas a Casa Branca não divulgou quando isso deve acontecer. EFE