Boric usa bicicleta para ir ao Palácio de La Moneda

Santiago (EFE).- O presidente do Chile, Gabriel Boric, está há mais de uma semana usando uma bicicleta para chegar até o Palácio de La Moneda pela manhã, um hábito que decidiu adotar para “melhorar sua saúde” e lutar contra “um pouco de sobrepeso”.

“Fiz um teste de triglicerídeos há um tempo e eles estavam muito altos. Portanto, tenho que me cuidar. Tenho 36 anos, sou jovem, estou em um momento de reverter essa curva”, declarou Boric nesta segunda-feira em entrevista à Televisão Nacional do Chile (“TVN”).

O presidente, que chegou ao poder no último mês de março, também reconheceu na mesma entrevista que está “um pouco acima do peso, como muitos chilenos” e que está tentando combater o sedentarismo.

“Mentalizei a meta de tentar correr 10 quilômetros por dia. É cansativo, mas me motiva muito e também clareia a cabeça, ajuda a pensar. Aproveito, quando a intensidade da corrida diminui, para responder mensagens e trabalhar”, explicou Boric, que disse ter uma esteira tanto no escritório quanto em casa.

Desde a semana passada, é comum ver Boric chegar de manhã cedo ao La Moneda, no centro de Santiago, com uma bicicleta laranja, capacete e vestido de camisa e terno.

Em uma mensagem carinhosa no Twitter, a embaixada da Holanda no Chile disse na semana passada que “o presidente está pronto para uma visita à Holanda”, onde o primeiro-ministro Mark Rutte também vai pedalando para o trabalho.

Nascido em 1986 em Punta Arenas, no extremo sul do Chile, Boric se tornou o presidente mais jovem da história chilena em março e faz parte de um pequeno grupo de líderes mundiais “millenials”, como os de Nova Zelândia, Finlândia e El Salvador.

Sua chegada ao poder representou uma importante mudança geracional, já que grande parte de seu gabinete é formado por ex-colegas de universidade, como Camila Vallejo e Giorgio Jackson, porta-voz e ministro do Desenvolvimento Social, respectivamente.

Boric também encarna uma nova forma de lidar com o poder: ele nunca usa gravata, nem mesmo durante sua posse, e também é o primeiro presidente da democracia chilena que não mora na área abastada da capital e escolheu como residência oficial uma mansão histórica localizada no bairro de Yungay, a poucos quarteirões de La Moneda. EFE