Defesa de Musk argumenta que não houve má intenção em tweet sobre Tesla

Nova York (EFE).- O tweet de Elon Musk publicado em 2018 sobre uma possível retirada das ações da Tesla na bolsa, motivo pelo qual enfrenta um julgamento por fraude, foi precipitado e pode ter incluído as palavras erradas, mas não pretendia enganar ninguém, informaram os advogados do empresário nesta quarta-feira.

“Isto não foi fraude. Nem perto disso”, disse um dos advogados, Alex Spiro, na argumentação inicial no julgamento em San Francisco, no qual um grupo de investidores cobra indenizações multimilionárias por danos causados pela mensagem.

Spiro reconheceu que o tweet em questão continha algumas “imprecisões” que ele justificou pela pressa com a qual foi publicado, após um vazamento sobre a operação, e pela natureza informal das redes sociais.

“Estou considerando tirar a Tesla da bolsa a US$ 420. Financiamento assegurado”, disse o polêmico tweet em que Musk se referiu ao preço por ação que poderia ser oferecido na operação, e que teria significado uma avaliação da empresa em cerca de US$ 72 bilhões.

Segundo o advogado, o diretor executivo da Tesla usou as palavras erradas, mas o que ele procurava era a transparência máxima.

O termo “financiamento assegurado”, segundo argumentou, buscava enfatizar que o dinheiro não seria um problema para avançar com o negócio, que dependia da aprovação dos acionistas da fabricante de veículos elétricos e nunca chegou a ser concretizado.

Os requerentes acusam Musk de mentir sobre o suposto financiamento e afirmam que a declaração causou oscilações no preço das ações da Tesla que lhes custaram milhões de dólares.

Spiro, entretanto, insistiu nesta quarta-feira que o empresário tinha um princípio de acordo com o fundo soberano saudita para financiar a manobra e tirar a Tesla da bolsa e que o tweet refletia a realidade do momento, mas que não foi o que causou as oscilações no preço da ação da empresa, que inicialmente disparou e depois sofreu quedas pesadas.

Espera-se que o próprio Musk tome a palavra nos próximos dias para se defender no julgamento de três semanas.

Em princípio, Musk e Tesla – que também é acusada – estão em desvantagem, uma vez que o juiz responsável pelo caso, Edward Chen, já considerou provado no ano passado que o tweet em questão e outros que publicou posteriormente eram “falsos e enganadores”.

Além disso, em 2018 Musk foi acusado de fraude pela Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC) pelo post no Twitter e o empresário aceitou como sanções uma multa de US$ 20 milhões e deixar por pelo menos três anos o posto de presidente do conselho de administração da empresa, embora tenha continuado a ser o diretor executivo.

A sentença neste caso, segundo especialistas, pode depender da forma como o júri interpreta as motivações que levaram Musk a publicar essas mensagens e se considera que houve ou não um propósito fraudulento. EFE