Ataque com faca na Itália deixa um morto e fere jogador espanhol Pablo Marí

O zagueiro espanhol Pablo Marí, ex-Flamengo e atualmente no Monza, da Itália, foi ferido nesta quinta-feira durante um ataque realizado em um supermercado na cidade de Assago, nos arredores de Milão, que deixou uma pessoa morta, segundo a imprensa local.

O crime foi cometido por um homem italiano que foi preso pela polícia. Além de Marí e da pessoa que morreu – um funcionário do estabelecimento -, outras cinco pessoas ficaram feridas.

Marí foi levado para o hospital Niguarda, em Milão. Ele está consciente e não corre risco de morte.

O jornal “Gazetta dello Sport” disse que o zagueiro campeão da Libertadores com o Flamengo, em 2019, estava na companhia de sua esposa e filho no momento do ataque.

Já o diretor-executivo do Monza, Adriano Galliani, esteve no hospital visitando o jogador e, em entrevista à emissora “Rai”, afirmou que a facada que o jogador recebeu foi nas costas, mas não atingiu órgãos vitais.

“Pablo Marí tem um corte bastante profundo nas costas, mas felizmente não atingiu nenhum órgão vital como os pulmões ou qualquer outra coisa. Sua vida não está em perigo, ele deve se recuperar rapidamente. Ele tem algumas lesões, mas não muito graves. Está consciente e levando pontos”, declarou o dirigente.

O incidente que feriu Marí

O incidente ocorreu por volta das 18h30 (horário local, 13h30 de Brasília) quando um homem de 45 anos pegou uma faca nas prateleiras em um supermercado da rede Carrefour localizado dentro de um shopping e começou a esfaquear pessoas – a princípio, aleatoriamente, segundo as primeiras informações.

Um homem de 30 anos, funcionário do supermercado, morreu enquanto era levado de helicóptero para o hospital após ter sido esfaqueado no peito e no abdômen. Outro homem, de 40 anos, também foi levado em código vermelho para a Policlínica de Milão, e um idoso de 80 anos está internado no hospital Fatebenefratelli.

Uma mulher ficou ferida na mão, mas não precisou ser internada, assim como uma idosa de 81 anos que também foi atingida.

Segundo as primeiras informações, o agressor tinha problemas mentais e estava em tratamento para depressão grave.

A resposta do supermercado

O Carrefour se manifestou através de nota, em que reitera “a sua máxima proximidade aos funcionários e clientes envolvidos no ataque e às suas famílias” e confirmou que a polícia foi imediatamente chamada e que o criminoso foi detido.

A empresa também ativou imediatamente “um serviço de apoio psicológico para todos os funcionários direta ou indiretamente envolvidos no incidente”. EFE