Maduro pede a Biden que suspenda todas as sanções contra a Venezuela

Caracas (EFE).- O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, pediu nesta quinta-feira a seu homólogo dos Estados Unidos, Joe Biden, que suspenda todas as sanções aplicadas pelo governo americano ao país caribenho nos últimos anos.

“Basta de sanções. Governo de Joe Biden, suspenda todas as sanções criminosas contra a República Bolivariana da Venezuela, chega de sanções criminosas”, disse Maduro durante a prestação de contas de 2022 perante a Assembleia Nacional (AN/Parlamento), de esmagadora maioria chavista.

Maduro indicou que, segundo estimativas de especialistas, nos últimos oito anos “o imperialismo e seus lacaios débeis e extremistas roubaram dos bolsos da Venezuela US$ 411 milhões por dia”, o que qualificou como “roubo criminoso”.

“Basta de perseguição econômica, chega de perseguição financeira. (…) Liberdade econômica, liberdade comercial, liberdade financeira, liberdade para a Venezuela”, destacou.

O governante detalhou que foram aplicadas “mais de 927 sanções”, das quais 42,19% são contra entidades governamentais, 18,75% contra a indústria petrolífera e 17,19% contra a economia e finanças do país, o que inclui a “proibição de abertura de contas bancárias para cobrar os produtos” que são exportados e o “congelamento de quase US$ 20 bilhões”.

Da mesma forma, indicou que 7,81% das restrições foram contra o setor privado, 4,69% contra o setor político, 4,69% contra o transporte, 3,13% contra o setor alimentício e 1,55% contra outros setores.

Por outro lado, reiterou que as sanções provocaram uma queda de 99% nas receitas petrolíferas, o que significa, segundo garantiu, que “o país deixou de receber US$ 232 bilhões”. EFE