Otan vê risco “muito baixo” de Rússia utilizar armas nucleares contra Ucrânia

Berlim (EFE).- O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, afirmou nesta terça-feira em Berlim, na Alemanha, que o risco de a Rússia utilizar armas nucleares contra a Ucrânia é “muito baixo”, embora seja preciso manter a observação da situação.

Embora as probabilidades de um ataque nuclear serem consideradas reduzidas, o potencial impacto é tão grande que é preciso levar a ameaça “a sério”, afirmou a máxima autoridade da Aliança do Atlântico Norte, em discurso em um fórum de política internacional na capital alemã.

“Atualmente, não temos visto mudanças no grau de preparação nuclear”, disse Stoltenberg, que evitou detalhar qual seria a resposta da Otan caso Moscou decidisse usar esse tipo de armamento contra Kiev.

“Dependeria do nível de ataque, do contexto das circunstâncias. Não daremos ao inimigo o privilégio de conhecer nossa resposta de antemão. Ele sabe que as consequências seriam severas”, garantiu.

Rússia vs. OTAN

Entretanto, ele enfatizou que deve ser feita uma distinção entre o uso de armas de destruição em massa contra a Ucrânia e um ataque a um país membro da aliança, uma área onde a dissuasão nuclear da OTAN está “em vigor”.

O secretário-geral também se recusou a endossar explicitamente a adesão da Ucrânia à aliança, que Kiev pediu no fim do mês passado, após a Rússia ter oficializado a anexação dos territórios ucranianos ocupados.

Segundo Stoltenberg, a porta “permanece aberta”, mas no curto prazo, existem “outras prioridades”, como o apoio à Ucrânia no campo de batalha, para poder encerrar o conflito.

O secretário-geral informou que, nos próximos dias, a Otan entregará para Kiev novos sistemas antidrones para enfrentar o uso russo de drones de fabricação iranianos, que, neste momento, estão causando “sofrimento e danos” em toda a Ucrânia. EFE