Peru proíbe entrada de Evo Morales por afetar “segurança nacional”

Lima (EFE).- O governo do Peru anunciou nesta segunda-feira que proibiu a entrada em seu território do ex-presidente da Bolívia Evo Morales e de outros oito cidadãos bolivianos acusados de ter realizado “atividades de índole política proselitista” que afetaram a “segurança nacional” do país.

“Nos últimos meses, cidadãos estrangeiros de nacionalidade boliviana foram identificados como tendo entrado no país para realizar atividades de índole política proselitista, o que constitui uma clara afetação de nossa legislação de imigração, da segurança nacional e da ordem interna”, disse o Ministério do Interior peruano em comunicado.

A nota oficial enfatiza que o Peru “é um país soberano e democrático, cujo sistema migratório estabelece que todos os cidadãos estrangeiros no território nacional têm o dever de se conduzir de acordo com o sistema legal, especialmente no que diz respeito à segurança nacional e à ordem interna”.

“Consequentemente, em 6 de janeiro deste ano, a Superintendência Nacional de Migrações, em estrito cumprimento de seus poderes (…) ordenou o registro do impedimento de entrada no país, através de todos os postos de controle de imigração, de nove cidadãos bolivianos, incluindo o senhor Juan Evo Morales Ayma”, diz o texto.

O Ministério reiterou aos “cidadãos e à comunidade internacional seu mais profundo respeito pelos direitos humanos, bem como pelos laços históricos” com os outros países sul-americanos, com os quais assegurou que está realizando “importantes alianças destinadas a alcançar o desenvolvimento, a paz social, o bem-estar e a segurança de nossas sociedades”.

Críticas a Morales

A decisão das autoridades peruanas foi tomada depois que a presidente peruana, Dina Boluarte, anunciou na semana passada que estava analisando junto com a autoridade migratória “a situação da entrada de Morales” no país, porque não deveria “intervir nos assuntos internos”.

“No Peru temos o direito de tecer nossa própria história, e ninguém, pessoas de fora do território nacional, deveria vir e querer intervir na construção de nossa história”, enfatizou.

Em novembro de 2021, o comitê de relações exteriores do Congresso declarou Morales persona non grata “por seu ativismo político negativo no Peru e por sua óbvia interferência e ingerência na agenda do governo” do então presidente Pedro Castillo (2021-2022).

Morales também foi denunciado na última quinta-feira ao Ministério Público peruano pelo congressista ultraconservador Jorge Montoya por suposta prática de crimes contra a segurança nacional e traição, sob a forma de “ataque à integridade nacional”.

Posição de Morales

Evo Morales manteve uma presença ativa no Peru, especialmente nas regiões sul do país, durante o governo Castillo, com o objetivo de incentivar a integração de regiões como Puno no projeto Runasur, a plataforma internacional de movimentos sociais e indígenas que ele está promovendo.

O ex-governador tem sido muito ativo nas redes sociais com opiniões sobre a crise no Peru e mensagens defendendo Castillo desde sua destituição pelo Congresso, após uma tentativa de autogolpe em 7 de dezembro.

Os protestos no Peru, que deixaram 28 mortos, começaram em dezembro do ano passado depois que Boluarte, até então vice, assumiu a presidência com a saída de Castillo, que havia tentado fechar o Congresso, intervir no Judiciário e governar por decreto.

Na última quinta-feira, depois de saber das críticas do atual governo peruano a seu respeito, o ex-presidente boliviano disse no Twitter que “dá a outra face” diante dos “ataques políticos da direita peruana” e fez um apelo em prol do fim “nos massacres” naquele país.

No sábado, ele defendeu seu projeto Runasur e disse que “o único separatismo no Peru é causado pelo racismo, exclusão e discriminação dos grupos de poder de Lima contra seu próprio povo”. EFE