Policial é morto e outro ferido em ataque com faca em Bruxelas

Bruxelas (EFE).- Um policial morreu e outro ficou ferido depois de ser esfaqueado esta noite em Bruxelas por um indivíduo, que foi preso por outra patrulha, segundo o Ministério Público que investiga as circunstâncias deste ataque.

De acordo com a imprensa local, o agressor gritou “Allahu Akbar” (Alá é Grande) no momento do ataque, mas o Ministério Público recusou-se a comentar o assunto.

Os fatos ocorreram por volta das 19h15 (horário local, 16h15 de Brasília), perto da Estação Norte, em Schaerbeek, um dos 19 municípios da Região Bruxelas-Capital, onde os dois policiais em uma viatura foram atacados por um homem armado com uma faca.

O agente de outra patrulha, que veio socorrer quando a primeira pediu reforços, conseguiu “neutralizar o agressor” usando sua pistola, segundo o jornal “Le Soir”.

O criminoso e os dois policiais feridos foram levados para um hospital, mas um deles morreu devido à gravidade dos ferimentos.

Duas equipes de emergência e três ambulâncias do corpo de bombeiros de Bruxelas compareceram ao local.

“Nossos policiais arriscam suas vidas todos os dias para garantir a segurança de nossos cidadãos. O drama de hoje demonstra isso mais uma vez”, disse o primeiro-ministro belga, Alexander De Croo, em sua conta oficial no Twitter.

Reações ao ataque em Bruxelas

De Croo enviou suas condolências à família e amigos do policial morto e expressou sua “sincera esperança” de que seu colega hospitalizado esteja bem.

“Que drama terrível. Este evento parte meu coração. Meus pensamentos estão em primeiro lugar com os entes queridos, os membros da zona policial e toda a força policial”, disse a ministra do Interior belga, Annelies Verlinden, também no Twitter.

A ministra, que disse estar acompanhando “a situação de perto”, “em contato próximo com o prefeito, e outras autoridades”, destacou que “esta violência é inaceitável”.

A presidente do Parlamento Europeu, Roberta Metsola, também ficou “chocada com o assassinato de um policial de Bruxelas no cumprimento do dever esta noite”.

“A polícia belga trabalhou tão estreitamente com o Parlamento Europeu ao longo dos anos que isso parece pessoal para nós”, acrescentou a política maltesa, que transmitiu sua tristeza aos oficiais, seus entes queridos e toda a Bélgica.

A imprensa belga afirma que o suspeito apareceu hoje às 12h (hora local) em uma delegacia de polícia no bairro de Evere, onde aparentemente explicou sua intenção de cometer um ataque contra a polícia.

Com o seu consentimento e sob supervisão judicial, o homem foi transferido para um hospital para avaliação psiquiátrica e aparentemente foi liberado mais tarde, segundo a imprensa belga. EFE