Príncipe Harry revela que matou 25 talibãs no Afeganistão

Londres (EFE).- O príncipe Harry revelou em sua autobiografia que matou 25 talibãs quando serviu no Afeganistão como piloto de helicóptero, segundo trechos do livro divulgados nesta sexta-feira pela imprensa britânica.

A autobiografia, intitulada “O que sobra”, provocou um grande debate na imprensa do Reino Unido devido aos detalhes revelados e ao seu impacto na Casa Real.

Tanto a grande imprensa como os tabloides britânicos deram grande espaço e manchetes  ao relato do duque de Sussex sobre sua missão no Afeganistão em 2012 e 2013.

O príncipe afirma ter participado em seis missões, todas elas envolvendo mortes, as quais considerou justificáveis.

“Não foi uma estatística que me encheu de orgulho, mas também não me deixou envergonhado. Quando me vi imerso no calor e na confusão do combate, não pensei naqueles 25 como pessoas. Eram peças de xadrez retiradas do tabuleiro, pessoas ruins eliminadas antes de poderem matar as boas”, escreveu o Harry, de 38 anos.

A imprensa local questiona nesta sexta-feira foi correto contar as pessoas que ele matou no Afeganistão, devido ao risco de segurança envolvido.

O tabloide “The Sun” afirma que o príncipe não só arriscou a sua segurança, como traiu os seus colegas do Exército britânico que também serviram na linha da frente no Afeganistão.

Entre outras revelações, Harry diz que consumiu drogas na adolescência, como cocaína e maconha, e que até consultou uma mulher com “poderes”, sem citar seu nome ou dizer se era uma vidente. Segundo essa mulher, sua mãe, a falecida Diana, aprovava a sua decisão de começar uma nova vida nos Estados Unidos com a esposa, a atriz americana Meghan Markle.

Harry observou também que ele e o irmão, William, uma vez pediram ao seu pai para que não se casasse com Camilla Parker-Bowles, mas que Charles ignorou o pedido. O casamento ocorreu em abril de 2005, na Capela de São Jorge, no Castelo de Windsor.

A autobiografia, escrita por JR Moehringer a partir do que Harry lhe disse, alega que o agora Charles III uma vez brincou com o filho caçula dizendo: “Quem sabe se eu sou o seu verdadeiro pai?”.

O duque acrescenta que esta era uma piada de “mau gosto” por causa de rumores sobre um caso que Diana teria tido com o oficial de cavalaria James Hewitt.

Alguns jornais especularam anos atrás que Harry poderia ser filho de Hewitt, algo fortemente negado pelo próprio príncipe e também pelo oficial de cavalaria. EFE