Putin diz que choque entre Rússia e Otan seria “catástrofe global”

Astana (EFE).- O presidente russo, Vladimir Putin, alertou nesta sexta-feira para uma “catástrofe global” no caso de um “confronto direto” entre Rússia e Otan no território ucraniano.

“O envolvimento de qualquer força militar em contato direto, em um confronto direto com o Exército da Rússia, é um passo muito perigoso que pode levar a uma catástrofe global”, disse Putin em entrevista coletiva ao término de dois dias de cúpulas regionais na capital do Cazaquistão, Astana.

Em resposta ao possível destacamento de tropas aliadas no país vizinho, Putin expressou confiança de que o “senso comum” prevalecerá entre aqueles que defendem tal opção.

Putin fez esta declaração no 60º aniversário da Crise dos Mísseis de Cuba, de 1962, que levou a União Soviética e os EUA à beira da Terceira Guerra Mundial.

Sobre a Otan, o presidente da Rússia considerou “um erro” a decisão da Alemanha de dar prioridade às suas obrigações com o bloco aliado sobre a defesa dos interesses econômicos do país.

“Isto tem consequências econômicas negativas para a Zona Euro em geral e para a República Federal em particular”, analisou.

O Conselho de Segurança da Rússia, liderado pelo próprio Putin, avisou nesta semana que se a Ucrânia aderir à Otan, “tal passo significará uma escalada garantida para a Terceira Guerra Mundial”. 

Putin não vê motivos para diálogo entre Rússia e EUA

O presidente da Rússia também afirmou nesta sexta-feira que não vê necessidade de dialogar com o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, que, por sua vez, já disse que não conversará com Moscou sobre a Ucrânia sem que Kiev esteja à mesa.

“Precisamos perguntar a ele se está pronto para ter tais negociações comigo ou não. Não vejo necessidade, para ser honesto”, disse o chefe de Estado russo, na entrevista coletiva em Astana.

“Até o momento, não há plataforma para nenhuma negociação”, disse Putin, ao ser questionado sobre a possibilidade de uma reunião com Biden na cúpula do G20, que acontecerá na Indonésia, em novembro.

Putin lembrou, inclusive, que ainda não tem participação garantida no encontro, embora a Rússia vá enviar delegação.

“A questão da minha viagem para lá ainda não foi resolvida definitivamente. Mas, a Rússia, certamente, participará deste trabalho. Em que formato, pensaremos”, disse o chefe de Estado.

Na terça-feira, Biden afirmou que não tem intenção de se reunir com o presidente russo no G20, a não ser que este se aproxime e se proponha a falar sobre a libertação da jogadora de basquete americana Brittney Greiner. EFE