Rússia aceitaria dialogar com EUA, França e papa sobre Ucrânia

Moscou (EFE).- O governo da Rússia está disposto a dialogar com os Estados Unidos, França e o papa Francisco sobre uma solução à situação criada pelo que foi batizada de “operação militar especial” na Ucrânia, conforme afirmou nesta terça-feira o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov.

“Estamos dispostos a debater tudo isso com os americanos, os franceses e com o pontífice”, disse o representante da presidência russa, em entrevista coletiva concedida diariamente por telefone.

Peskov respondeu desta forma sobre questão referente à iniciativa do presidente da França, Emmanuel Macron, que ontem pediu ao papa Francisco para que faça contato com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, e o patriarca da Igreja Ortodoxa, Kirill, e o presidente dos EUA, Joe Biden, para dar impulso ao processo de paz.

“Se isso realmente vai na direção dos esforços para encontrar possíveis soluções, pode ser visto de uma forma positiva”, afirmou Peskov.

O porta-voz do Kremlin, além disso, afirmou que ninguém propôs que seja feito telefonema ao presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, para que esclareça “a base legal que proíbe qualquer tipo de negociação com a parte russa”.

“Volto a repetir: a Rússia está aberta a todos os contatos, mas devemos partir do princípio de que a Ucrânia proibiu a continuação das negociações”, disse Peskov.

O porta-voz russo se referiu a recente decreto de Zelensky, que colocou em vigor a decisão do Conselho de Defesa e Segurança Nacional da Ucrânia, sobre a impossibilidade de realizar negociações com o presidente da Rússia, Vladimir Putin. EFE