Sobe para 18 o número de mortos desde o início dos protestos no Peru

Lima (EFE).- O número de mortes confirmadas desde o início dos protestos antigovernamentais no Peru subiu para 18 depois que a Direção Regional de Saúde (Diresa) de Ayacucho, no sul do Peru, confirmou um novo óbito ocorrido nos confrontos de ontem entre manifestantes e as forças da ordem.

“O Centro de Prevenção e Controle de Emergência e Desastres da Diresa, Rede Huamanga e Hospital Regional de Ayacucho reporta 52 feridos e 8 mortos como resultado dos confrontos ocorridos ontem, 15 de dezembro, em vários pontos da cidade”, disse em nota a Diresa, que em seu último boletim havia relatado sete mortes.

A agência acrescentou que “os 410 estabelecimentos de saúde e hospitais de apoio da região estão em alerta vermelho, de forma a garantir a presença de pessoal, a disponibilidade de material médico e o atendimento oportuno dos pacientes”.

A Diresa indicou que os 52 feridos estão sendo atendidos no Hospital Regional de Ayacucho, bem como em outros estabelecimentos de saúde e no sistema de previdência social da cidade.

“As nossas brigadas de saúde e ambulâncias continuam o seu trabalho de vigilância em vários pontos da cidade de forma a prestar cuidados de saúde e a transferência oportuna dos pacientes”, completou.

Com este novo óbito, o número de mortos nos confrontos de quinta-feira no Peru chegou a dez, elevando o total de mortos para 18 desde que os protestos começaram no último domingo exigindo eleições antecipadas, a renúncia da presidente Dina Boluarte, o fechamento do Congresso e a convocação de uma Assembleia Constituinte.

As dez vítimas desta quinta-feira somam-se a outras seis que morreram no departamento de Apurímac, no sul, uma em Arequipa e outra na região de La Libertad, no norte.

Até agora, não foram divulgadas as identificações de todas as vítimas, mas pelo menos duas delas eram menores de idade.

O governo de Boluarte decretou estado de emergência em nível nacional por 30 dias na última quarta-feira para controlar os atos de vandalismo e violência cometidos nos protestos e nesta quinta-feira foi decretado um toque de recolher em 15 províncias de oito departamentos.

Em mensagem postada no Twitter, a presidente afirmou que seu país enfrentou “um triste dia de violência” na quinta-feira e reiterou sua “invocação à paz” após as mortes relatadas no primeiro dia do estado de emergência.

Boluarte assumiu a presidência em 7 de dezembro, substituindo Pedro Castillo, que foi destituído pelo Congresso depois de ordenar a dissolução do Parlamento, anunciar a formação de um Executivo de emergência, que governaria por decreto, a convocação de uma Assembleia Constituinte e a reorganização do Judiciário. EFE