Sobe para 44 mortos e 28 desaparecidos devido a inundações nas Filipinas

Manila (EFE).- Pelo menos 44 pessoas morreram e 28 continuam desaparecidas em consequência das graves inundações e deslizamentos de terra que atingiram várias regiões do sul e leste das Filipinas no último fim de semana, informou nesta sexta-feira a agência para desastres naturais.

Mais da metade das vítimas foram registradas na região de Mindanao do Norte, ao norte da ilha de Mindanao, no sul, onde 24 pessoas perderam a vida, 12 ficaram feridas e duas continuam desaparecidas, segundo a última atualização do Conselho Nacional de Gestão de Redução de Riscos de Desastres das Filipinas (NDRRMC, sigla em inglês).

Outras 11 pessoas morreram na ilha de Mindanao, nas regiões de Zamboanga (4), Davao (4) e Caraga (3), enquanto seis morreram em Bicol, a sudeste da ilha de Luzon, e três no leste de Visayas.

O número de vítimas pode aumentar nas próximas horas, uma vez que a equipe nacional de emergência indicou que, além disso, pelo menos 28 pessoas continuam desaparecidas: 12 delas em Bicol; outros 12 em Visayas Oriental; dois no norte de Mindanao, um em Zamboanga e um em Visayas Oriental.

Da mesma forma, cerca de 15,8 mil pessoas continuam desalojadas em centros de evacuação, das mais de 509,3 mil afetadas pela tempestade, que causou danos significativos em cerca de 4.522 casas e destruiu mais de 7,4 mil hectares de plantações.

O desastre prejudicou as celebrações do Natal no país mais católico da Ásia, onde centenas de milhares de filipinos se deslocam dos centros urbanos para as províncias durante os feriados.

As Filipinas, que são atingidas por entre 15 e 20 ciclones a cada ano, estão classificadas entre as nações mais vulneráveis aos impactos das mudanças climáticas. EFE