Zelensky cita “terror dos mísseis” e diz que Rússia não quer paz

Madri (EFE).- O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, enfatizou neste domingo que o “terror dos mísseis” da Rússia contra a população ucraniana é a prova de que o presidente russo, Vladimir Putin, não quer a paz e não quer negociar.

Em Zaporizhzhia, “pelo menos 14 pessoas morreram ontem (sábado) à noite como resultado de ataques russos a edifícios residenciais” e o número “pode aumentar” porque “os destroços ainda estão limpando os escombros”, disse Zelensky no habitual discurso noturno.

Segundo o mandatário ucraniano, mais de 70 pessoas foram feridas, incluindo onze crianças, enquanto “centenas de famílias ficaram sem casa”.

“Um bloco inteiro, do primeiro ao sexto andar, foi destruído por um dos mísseis, um antinavio Kh-22, com alvo em um edifício residencial comum de nove andares. Aquele que deu a ordem e aqueles que a executaram sabiam o que queriam”, declarou.

Os ataques com mísseis russos em Zaporizhzhia mataram pelo menos 43 pessoas desde o dia 3 de outubro, segundo Zelensky, que também recordou que houve mais ataques em outras cidades utilizando mísseis e drones iranianos.

A “maioria absoluta” destes ataques aéreos “visavam as infraestruturas civis da Ucrânia e os civis”, denunciou Zelensky.

“Quando alguém quer negociar, não faz isso. E quando alguém é um terrorista, é exatamente isso que faz”, analisou. EFE