Zelensky pede criação de tribunal especial para processar a Rússia no TPI

Redação Central (EFE).- O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, pediu nesta terça-feira a criação de um tribunal especial para que “todo assassino russo receba a punição merecida” no Tribunal Penal Internacional (TPI).

Em seu habitual discurso noturno, Zelensky lamentou que “os instrumentos jurídicos internacionais disponíveis não são suficientes para a justiça”.

“Mesmo no Tribunal Penal Internacional ainda é impossível levar à justiça os mais altos líderes políticos e militares da Rússia pelo crime de agressão contra nosso Estado, pelo crime principal. O crime que deu origem a todos os outros crimes desta guerra, e não só depois de 24 de fevereiro, mas também a partir de 2014. Foi ali que tudo começou”, declarou.

Por isso, afirmou que a Ucrânia pretende “unir a maioria mundial em apoio ao projeto de resolução da Assembleia Geral da ONU sobre o Tribunal Especial”.

Para que haja responsabilização por agressão, acrescentou, “é necessário um Tribunal Especial, além do Tribunal Penal Internacional. E estamos fazendo todo o possível para criar esse tribunal”.

O governante ucraniano disse que já coopera com “muitos países e organizações internacionais para que cada assassino russo receba a punição merecida. Já estabelecemos cooperação com o Tribunal Penal Internacional e vamos aumentá-la”.

O discurso de Zelenska em Londres

Nesse sentido, recordou que o discurso de hoje da primeira-dama da Ucrânia, Olena Zelenska, perante o Parlamento e o povo da Grã-Bretanha “foi dedicado precisamente a esta tarefa”.

Zelenska pediu à Grã-Bretanha que liderasse “esforços mundiais para estabelecer um Tribunal Especial para o crime de agressão russa contra a Ucrânia e restaurar a justiça”.

Segundo Zelensky, a Ucrânia já tem “forte cooperação” com a Holanda, que está ajudando na criação de uma procuradoria para coletar provas de crimes de guerra, e também está trabalhando com a França “em um trabalho de campo para documentar o mal russo”.

Por outro lado, o governante ucraniano admitiu hoje que a situação na frente de batalha é difícil.

“Apesar das perdas russas extremamente grandes, os ocupantes ainda estão tentando avançar na região de Donetsk, consolidar-se na região de Lugansk, mover-se na região de Kharkiv, e eles estão planejando algo no sul”, comentou.

Neste ano, segundo disse, a Rússia perderá 100.000 soldados e “a Ucrânia permanecerá”. 

“E o mundo fará todo o possível para garantir que todos os culpados desta guerra criminosa sejam levados à justiça”, completou. EFE