OMS recomenda 2ª dose de reforço apenas para grupos de risco

Genebra (EFE).- Um grupo assessor da Organização Mundial da Saúde (OMS) indicou nesta terça-feira que a segunda dose de reforço da vacina contra a covid-19 deve ser voltada para os grupos de risco, que são mais suscetíveis a desenvolver um quatro severo ou grave, ao serem infectados pelo novo coronavírus.

Essa imunização deveria estar voltada para pessoas com mais de 65 anos, ou outras com doenças crônicas ou imunossuprimidas, mulheres grávidas ou profissionais de saúde.

A vacina de reforço deve ser administrada de quatro a seis meses depois da dose mais recente, conforme orientou o grupo científico que assessora a OMS para questões de imunização.

Além das vacinas que foram aprovadas contra o vírus original que provoca a covid-19, outras quatro que contêm subvariantes que mais circularam nos últimos meses foram autorizadas, mediante um procedimento de emergência.

A organização, contudo, já informou que não recomenda privilegiar uma em detrimento de outra.

O secretário-executivo do grupo de especialistas, Joachim Hombach, disse à imprensa que ainda não foram completadas as avaliações sobre a eficácia das vacinas bivalentes (desenvolvidas para imunizar contra a cepa original e contra a ômicron), por isso, não pode ser recomendada uma mais do que outra.

O representante da comissão, contudo, indicou que estudos apontam que, de fato, as vacinas bivalentes ofereceriam um benefício adicional em relação às vacinas que são projetadas apenas para combater o coronavírus inicial, que foi detectado pela primeira vez na China.

“O mais importante de tudo é receber a vacina quando for recomendado”, disse Hombach. EFE