Putin reitera que Ucrânia tem planos de usar uma “bomba suja”

Moscou (EFE).- O presidente da Rússia, Vladimir Putin, reiterou nesta quarta-feira aos serviços de segurança de alguns países aliados que a Ucrânia tem planos de usar uma “bomba suja” com elementos radioativos e adquirir armas nucleares.

Segundo Putin, o Ocidente continua fornecendo armas à Ucrânia e “ignora as declarações de Kiev sobre a intenção de adquirir uma arma nuclear”.

“Os planos (da Ucrânia) de usar a chamada ‘bomba suja’ para uma provocação também são conhecidos”, disse o chefe do Kremlin ao presidir uma reunião por videoconferência dos líderes dos órgãos de segurança da Comunidade de Estados Independentes (CEI), formada por algumas ex-repúblicas soviéticas.

Estas foram as primeiras declarações do presidente russo sobre o caso poucos dias depois de a Rússia ter acusado a Ucrânia de realizar preparativos para usar uma ‘bomba suja”, algo que foi categoricamente negado por Kiev.

De acordo com o presidente russo, a Ucrânia “perdeu de fato sua soberania” e “é governada diretamente pelos Estados Unidos”, que a usa como “um aríete contra a Rússia”.

Além disso, na opinião do chefe do Kremlin, Washington transformou o território ucraniano em um “polígono de experimentos biológicos e militares”.

O Kremlin afirmou hoje que continuará seus esforços diplomáticos para advertir a comunidade internacional sobre o possível uso de uma “bomba suja” por parte da Ucrânia, alegando que essa ameaça ainda persiste.

“Temos informações que provam que há uma ameaça de uso de uma bomba suja pela Ucrânia. Temos informações de que a Ucrânia está se preparando para essa sabotagem terrorista”, disse o porta-voz da Presidência russa, Dmitry Peskov.

Ontem, Moscou levou ao Conselho de Segurança da ONU suas acusações sobre os supostos preparativos da Ucrânia para usar uma bomba suja em seu próprio território, uma questão que as potências ocidentais veem como uma tentativa de Moscou de semear a desinformação.

Kiev negou repetidamente as acusações russas e solicitou a visita de especialistas da Agência Internacional de Energia Atômica para dissipar quaisquer dúvidas.

Na última segunda-feira, a agência nuclear da ONU confirmou que enviaria uma missão de inspetores a duas instalações nucleares na Ucrânia diante das acusações russas, sem saber, no momento, a data de sua chegada ao país. EFE